Terça-Feira, 20 de Novembro de 2018

Política


23/09/2017 - 00:00

Em Osasco, pré-candidato a presidente Álvaro Dias defende fim do foro privilegiado a políticos e critica reformas da Previdência e Trabalhista

"Vamos ter que fazer a reforma da reforma", disse o senador sobre as mudanças trabalhistas já aprovadas pelo Congresso. Para ele, a reforma do governo Temer não elimina, mas gera conflitos. Já quanto à Reforma da Previdência, Álvaro Dias diz que presidente tem que explicar como aplica os recursos e cobrar grandes devedores, incluindo Grupo JBS e Eike Batista
Por Erica Celestini
Osasco

Senador concedeu entrevista coletiva na sede do Diário da Região, na manhã deste sábado

Senador concedeu entrevista coletiva na sede do Diário da Região, na manhã deste sábado (Foto: Erica Celestini)
O senador Álvaro Dias, pré-candidato à Presidência da República pelo Podemos, esteve em Osasco na manhã deste sábado, acompanhado da presidente nacional da legenda, a deputada federal Renata Abreu.

Em entrevista coletiva, concedida na sede do jornal Diário da Região, ele defendeu a tramitação, “com absoluta urgência”, no Congresso, da PEC (Proposta de Emenda Constitucional), de sua autoria, que acaba com o chamado “foro privilegiado” em caso de crimes comuns para deputados, senadores, ministros de estado, governadores, ministros de tribunais superiores, desembargadores, embaixadores, comandantes militares, integrantes de tribunais regionais federais, juízes federais, membros do Ministério Público, procurador-geral da República e membros dos conselhos de Justiça e do Ministério Público.

“A PEC já está pronta pra ser votada pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. A estratégia dos contrários é tentar barrá-la, porque se for para votação, ninguém terá coragem de votar contra a proposta. Já nós defendemos a votação com máxima urgência, devido ao cenário político, porque o ano que vem será de eleições”, afirmou.

Ele também criticou a Reforma Trabalhista, encaminhada pelo Congresso, e a proposta de Reforma da Previdência, que está em tramitação, ambas apresentadas pelo governo Michel Temer. “A Reforma Trabalhista foi aprovada com falhas. Ao invés de eliminar, acaba alimentando conflitos. Vamos ter que votar uma reforma da reforma. Já a Reforma da Previdência, do jeito que foi apresentada, não pode ter a nossa concordância. O mais importante seria que o presidente Michel Temer explicasse à população como aplica os recursos da Previdência porque há desvio de finalidade na aplicação desses recursos. Além disso, deveria cobrar os grandes devedores, como o Grupo JBS e o Eike Batista”, defendeu.

Outros temas abordados por Álvaro Dias foram as trocas do PSDB pelo Podemos e sua pré-candidatura à presidência pela nova legenda. “No caso do impeachment, defendi o afastamento da chapa inteira e não só da ex-presidente Dilma. Além disso, nunca concordei em ser aliado do Eduardo Cunha”, afirmou sobre suas discordâncias com a postura tucana.

Já quanto à candidatura, ele afirma ser uma “missão”, já que vai trocar uma disputa praticamente ganha – ao governo do Paraná – pela disputa nacional. “No caso do governo, ganharia praticamente por W.O. Já a pré-candidatura à presidência foi algo que não postulei. É uma missão a ser cumprida. Minha trajetória sempre foi de oposição e chegou o momento de colocá-la à disposição dessa fase construtiva pela qual o Brasil passa”, completou.

Newsletter
Conteúdo exclusivo para você
Capa do Dia
Vip Style