Política
09/02/2018 - 00:00

Lins nega que Bruna Furlan seja motivo da saída do PPS

Segundo prefeito de Osasco, "dobradinha" entre Piteri e a deputada federal, nas próximas eleições, não tem relação com seu governo. "Além disso, tenho uma relação muito boa com o prefeito Rubens Furlan", completou
Por Redação
Osasco
Rogério Lins (Foto: Luciano Benazzi)

(politica@webdiario.com.br)

O prefeito de Osasco, Rogério Lins, nega que a saída do PPS de seu governo tenha relação com possíveis coligações do diretório municipal do partido, em Osasco, com o PSDB de Barueri, nas eleições de outubro. Fontes ouvidas pelo Diário apontaram que Lins teria rompido com a legenda porque seu principal líder na cidade, o ex-vereador Cláudio Piteri, deve lançar candidatura a deputado estadual e fazer “dobrada” com a deputada federal Bruna Furlan, que concorre à reeleição, pelo PSDB. 

A parceria cumpriria compromisso de Rubens Furlan, prefeito de Barueri e pai de Bruna, com o ex-prefeito de Osasco Guaçu Piteri, pai de Cláudio, de garantir votos a ele em sua cidade. Já Lins deve apoiar a candidatura à reeleição da deputada federal Renata Abreu, presidente nacional de seu partido, o Podemos. Em entrevista ao Diário, o prefeito afirmou que a saída do PPS faz parte de “mudanças em áreas estratégicas da administração” e de um processo de “repactuação política” com aliados.

Ele reforçou ainda que possíveis coligações, nas próximas eleições, ficam restritas ao campo político e não têm relação com a administração pública. “Inclusive, mantenho uma ótima relação com o prefeito Rubens Furlan. E nunca permitiria que questões eleitorais interferissem nisso e nem na boa relação institucional entre as duas prefeituras”, completou. As mudanças em “áreas estratégicas” foram iniciadas, nesta semana, com a posse de Lau Alencar, presidente do diretório municipal do PSD, como secretário de Desenvolvimento, Trabalho e Inclusão, oficializando.

Com a saída do PPS, a Secretaria de Transportes e Mobilidade Urbana, comandada por Carlos Piteri, deve sofre mudanças. Informações de bastidores apontam que o ex-vereador Osvaldo Vergínio deva assumir o cargo e trazer o PEN para o governo.