Quarta-Feira, 18 de Setembro de 2019

Política


23/08/2019 - 00:00 - Atualizado em 23/08/2019 - 00:00

Maternidade Amador Aguiar faz 1ª cirurgia intrauterina

Procedimento foi necessário para evitar que incompatibilidade do fator RH do bebê (positivo) com o da mãe (negativo) levasse a anemia severa da criança que tem apenas 5 meses de vida. O quadro poderia ocasionar a "destruição" do sangue do bebê.
Por Da redação / politica@webdiario.com.br
Osasco

 Procedimento foi necessário para evitar que incompatibilidade do fator RH do bebê (positivo) com o da mãe (negativo) levasse a anemia severa da criança que tem apenas 5 meses de vida. O quadro poderia ocasionar a "destruição" do sangue do bebê.

Procedimento foi necessário para evitar que incompatibilidade do fator RH do bebê (positivo) com o da mãe (negativo) levasse a anemia severa da criança que tem apenas 5 meses de vida. O quadro poderia ocasionar a "destruição" do sangue do bebê. (Foto: Divulgação)
O Hospital e Maternidade Amador Aguiar realizou, neste mês, sua primeira cirurgia intrauterina. Segundo o superintendente da unidade, o médico Egídio Malagoli, o procedimento se fez necessário para evitar que a incompatibilidade do fator RH do bebê (positivo) com o da mãe (RH negativo) levasse a um quadro de anemia severa da criança, uma menina, que tem apenas 26 semanas (cinco meses) de vida. O quadro poderia ocasionar a "destruição" do sangue do bebê, a chamada eritroblastose fetal. No procedimento, que durou cerca de meia hora, foi feita a punção no abdome materno, por meio de exame de imagem de ultrassonografia, para localizar o abdome fetal e injetar na criança o sangue tratado (do tipo O negativo) para resolver o problema.

A intervenção cirúrgica foi realizada pelo doutor Maurício Saito. No dia seguinte à intervenção a criança foi retirada do útero por meio de cesariana, em razão de outras complicações da gestante, dentre as quais o histórico de hipertensão e diminuição acentuada do líquido amniótico durante a internação. Quando nasceu, a criança pesava apenas 840 gramas. Esta é a quinta gestação da paciente, de 23 anos, que já teve dois abortos. Ela fez o pré-natal na Casa da Mulher. Por conta do caso, o superintendente da maternidade destacou a importância que as futuras mães devem dar ao pré-natal. "É fundamental, porque quando a mãe apresenta algum problema de saúde, como a hipertensão, o diagnótico ajuda a tratar a paciente e a evitar complicações no parto. É preciso também ter hábitos saudáveis, com boa alimentação e evitar bebidas alcoólicas", aconselha. De acordo com Egídio Malagoli, o índice de mortalidade infantil no Amador Aguiar está abaixo de um dígito, conforme preconiza a Organização Mundial da Saúde (OMS). É de 9.5 para cada mil nascimentos (referência ano 2018), abaixo da média nacional, que é de 16 para cada mil nascidos vivos.

Newsletter
Conteúdo exclusivo para você
Capa do Dia
Vip Style